segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Crowdsourcing. Sua comunidade solucionando seus problemas.

Quais são os maiores interessados em qualificar seus serviços e produtos? Seus hóspedes? Se você entende que sim, eles são ouvidos quando você pretende fazer uma reforma, incluir ou alterar novos serviços?

Utilizando o alcance extraordinário da Internet, cada vez maior em função da disseminação da banda larga, do 3G e dos smartphones, algumas empresas têm utilizado os conhecimentos e as habilidades de seus clientes para desenhar produtos e serviços inovadores e adequados as suas próprias necessidades e desejos.

Esse processo é chamado decrowdsourcing, que significa o ato de demandar tarefas que, tradicionalmente, sãorealizados por funcionários ou por empresas terceirzadas,para um grupoindefinido de pessoasou uma comunidade.

Segundo Sandra Turchi, Diretora de Marketing da Boa Vista Serviços, um dos maiores casos de sucesso no Brasil foi a criação do carro ‘Fiat Mio’, lançado no último salão do automóvel, em 2010, projeto que obteve mais de 10,6 mil idéias enviadas e mais de 17 mil participantes.

Crowdsourcing, no entanto, não é utilizado somente na concepção de produtos e serviços, mas também na adoção de melhores técnicas e práticas de gestão de empresas, solução de problemas operacionais, definição de estratégias, entre outros desafios recorrentes.

Um portal chamado Battle of Concepts, propõe desafios a estudantes, inclusive no Brasil, cujo foco é a busca de novas soluções, produtos ou processos mais eficientes para empresas que oferecem R$ 15 mil em prêmios, distribuídos para as melhores idéias. Em um ano, doze empresas lançaram batalhas, entre elas Philips, Ambev, Natura e Tecnisa.

Em um pequeno meio de hospedagem, a utilização de sua comunidade de hóspedes e outros interessados na melhoria de seus serviços e de sua gestão, não precisa de uma plataforma eletrônica desenvolvida especialmente para a colaboração. Você pode fazer isso em seu blog, ou mesmo via email, ou até em formulários que os hóspedes preencham a mão.

Sem dúvida, você obterá, a partir de sua comunidade, idéias criativas e valiosas dicas para a qualificação dos produtos e serviços oferecidos pelo seu pequeno e notável meio de hospedagem.

É possível também, que sua comunidade tenha especialistas em diferentes áreas, que podem te fornecer interessantes soluções para problemas na sua gestão ou para melhoria de processos e procedimentos do seu PMH.

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.


1. Definição de crowdsourcing da wikipedia.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Você e sua rede de parceiros juntos num mesmo negócio.

As centrais de negócios objetivam unir empresas em grupos e com isso aumentar o seu poder de compra, seu poder de venda, de marketing integrado, entre outros. Embora permanecam independentes, atuam sob uma bandeira que representa o grupo, com vistas a conquistar seus mercados de forma mais planejada, consistente e fortalecida, fazendo valer sua força de conjunto. Assim, por meio da união de forças as empresas superam dificuldades e incrementam oportunidades, gerando benefícios para todos.

Em novembro do ano passado o SEBRAE organizou um encontro nacional das centrais de negócios apoiadas pela entidade, em Salvador, no qual foram apresentadas experiências de sucesso nos mais diferentes setores econômicos. Clique aqui para saber sobre o encontro.

Para o SEBRAE, a central de negócios é uma entidade formada por empresas, de base associativa, voltada para a busca de soluções conjuntas de interesse econômico, com foco no mercado em que atuam. É uma ação decorrente de um processo coletivo, com o objetivo de promover e ampliar o acesso a mercados.

Na organização de uma central de negócios existem desafios complexos, como em qualquer organização ou empresa, e um deles, que queremos destacar aqui, é a necessidade premente de a central medir seu desempenho e apresentar os resultados da medição aos empresários parceiros.

Essa medições devem investigar as variáveis que são mais importantes para aquele negócio. Digamos que, uma central de negócios de pequenos meios de hospedagem, tenha montado uma central de reservas. É fundamental que a central elabore relatórios regulares mostrando o número de consultas realizadas por clientes potenciais versus o número de reservas realizadas; também a porcentagem de reservas realizadas para cada categoria de PMH (ex: econômico, standard e luxo); os períodos de alta e baixa consulta; os valores gastos com telefone versus o faturamento médio de reserva; entre outras variáveis.

Avaliar indicadores de desempenho aumentarão as chances de que os empresários formadores da central tenham condições de avaliar os resultados alcançados com a parceria, possam propor melhorias e avaliar as estratégias empregadas.

Lançamento do Programa Pequenos & Notáveis na Bahia

No próximo dia 15, lançaremos em Salvador o Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, qual envolve uma série de ações e ferramentas de capacitação de pessoas e qualificação de serviços idealizadas e executadas, a partir da parceria entre o SEBRAE, a ABIH e suas seccionais nos estados, além do Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH.

Esperamos contar com sua presença, empresário de Lençóis, Morro de São Paulo e Salvador. Este é o momento de conhecer o programa, mas também de confraternização e celebração.

Nas primeiras ações de campo do programa, que acontecerão nas 12 cidades sede do mega evento esportivo que sediaremos em 2014, nossos objetivos principais são:

1. Apresentar o programa aos empresários de pequenos meios de hospedagem das cidades sede e dos destinos do entorno.
2. Escutar e identificar as opiniões e sugestões dos presentes sobre as ações do programa.
3. Iniciar o processo de formação de uma rede de pequenos meios de hospedagem na Bahia.
4. Realizar pesquisa diagnóstica que subsidiará importantes ações de qualificação para o setor nos próximos anos.
5. Implementar o processo de mobilização para as ações do programa nas cidades sede e dos destinos do entorno.

O lançamento do programa acontecerá em Salvador no dia 15/03 (terça-feira), às 14hs, no auditório do Bahia Executive Center, sede da ABIH/BA, localizado na Rua Coronel Almerindo Rehen, 82, Caminho das Árvores.

Participe e faça o giro certo, confirme sua presença.

RSVP - Daniela Teixeira
Email: assessoria.ibh@abih.com.br / Fone: 61 3327-7290

O programa já foi lançado em Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza e Recife. Leia depoimentos de quem já participou.

“Esse projeto será um marco para os pequenos empreendimentos que ficam a cerca de 100 km de Recife, já que com qualidade no atendimento, podemos contribuir com os esforços institucionais da Secretária de Turismo do estado, em promover o destino Pernambuco, absorvendo não só a demanda por um tipo específico de hospedagem, mas recebendo os hóspedes que não encontram vagas em cidades como Olinda, por exemplo.” Maria Thereza Chaves Fiúza - Presidente da Associação Pernambucana de Turismo Rural e Ecológico – APETURR

“O projeto é de suma importância para nossa região. Não só para receber os turistas que vierem para Recife em função da Copa do Mundo, mas para colocar o estado de Pernambuco em pé de igualdade competitiva tanto como destino, quanto na qualidade dos serviços prestados pela hotelaria”. Ângelo Gustavo Lins - Representante do Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Olinda


COLABORE COM O PROGRAMA

Antes mesmo de participar do evento, você já pode começar a colaborar conosco. Suas sugestões, críticas e opiniões são fundamentais.

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.


AVISO AOS NAVEGANTES

Nos últimos anos, como você bem sabe, empresas, governos e entidades setoriais passaram a perceber a importância dos pequenos meios de hospedagem para a competitividade e sustentabilidade do turismo brasileiro e estão desenvolvendo ações, projetos e programas específicos para o setor.

Portanto, essa é a hora de estudar o clima, os mapas e as coordenadas, escolher e preparar a tripulação, aproveitar os bons ventos e navegar rumo aos, outrora, distantes sonhos. Não se engane, as oportunidades estão colocadas para que seu PMH alcance mercados internacionais, consolide acordos comerciais com importantes players e materialize os valores e a cultura da empresa.

A ABIH e o SEBRAE não podem capitanear a nau, mas estão montando a Escola de Sagres.


PROGRAMA PEQUENOS E NOTÁVEIS

Fruto de trabalho conjunto entre o SEBRAE, a ABIH e o IBH, o Programa Pequenos e Notáveis foi desenvolvido em razão de grandes desafios que os pequenos meio de hospedagem brasileiros tem à sua frente:
1. Manter-se competitivo em um cenário de disputa internacional;
2. Combinar rentabilidade e aumento da ocupação com um sistema de gestão da qualidade eficiente;
3. Desenvolver um sistema de gestão da sustentabilidade adequado às suas necessidades e limitações;
4. Fazer com que o negócio alcance os desejos dos empresários, hóspedes, funcionários e parceiros.

O programa originou-se, a partir da missão da ABIH Nacional, que é representar os interesses e promover o desenvolvimento sustentável dos meios de hospedagem e do setor de turismo, na promoção de um ambiente favorável aos negócios, à competitividade e à qualificação permanente das empresas, pessoas, processos e serviços. Em função disso, estabeleceu parceria com as ABIHs estaduais, o SEBRAE Nacional e suas representações estaduais, para executar o Programa Nacional de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, também conhecido por sua alcunha, Pequenos e Notáveis.

A ABIH Nacional articulou o desenvolvimento e viabilizou boa parte dos recursos financeiros do programa, e está também auxiliando os processos de mobilização.

O SEBRAE Nacional viabilizou a maior parte dos recursos financeiros do programa e disponibilizou uma série de mecanismos de gestão e inovação a serem utilizados nas atividades de qualificação e capacitação.

O SEBRAE/BA e a ABIH/BA estão auxiliando os processos de mobilização e viabilizando recursos para as ações presenciais do programa.

O Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH está executando o programa.


quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Sua marca amada por seus hóspedes.


Sua marca é amada ou respeitada por seus hóspedes? Muito respeito e pouco amor? Muito amor e pouco respeito?

Se seus hóspedes tem muito amor e muito respeito por sua marca, isso quer dizer que você tem uma lovemark.

Uma lovemark é uma marca que, para o cliente, transcende o conceito racional de relacionamento com a marca e de decisão de compra. O cliente, realmente, ama e respeita sua marca.

E isso fará com que ele não só escolha sua marca em detrimento de outras, como fará com que ele faça mais do que um boca a boca positivo. Fará tudo que esteja a seu alcance para convencer amigos, parentes e até conhecidos, a comprar seus produtos e serviços.

Exemplos emblemáticos de lovemarks são a Apple, a Harley Davidson e o Starbucks.

Além disso, no processo de decisão de compra, esses clientes que amam e respeitam sua marca, farão uma comparação com outras marcas, diminuindo a importância de preço, facilidade de compra, entre outros fatores.

Esse conceito foi desenvolvido por Kevin Roberts, publicitário norte americano, responsável por uma das mais conceituadas agências de publicidade do mundo. Segundo Roberts, "o espírito deste milênio está nos fazendo mudar um comportamento de consumo baseado em transações e informação para conexões emocionais criadas por relacionamentos."

"Portanto, se você não estabelece conexões emocionais, continuando a tocar seu negócio como sempre, está perdendo uma transformadora onda de oportunidade. Uma oportunidade de estabelecer emoções como nunca antes fizemos. E fazer com que as pessoas nos amem por isso."

Uma empresa que é uma lovemark, para Roberts, nesse sentido, está tão a frente de seus concorrentes, que não pode ser simplesmente chamada de marca, mas de lovemark.

Isso significa um relacionamento duradouro com seus hóspedes, que pode ser alcançado, e o foi por outras marcas, a partir do uso de ingredientes secretos e da construção de características icônicas, únicas. Também da combinação habilidosa de passado, presente e futuro. Da habilidade perene de alcançar sonhos e aspirações.

Para finalizar, Roberts afirma que os pequenos negócios carregam consigo uma capacidade inerente para se tornarem lovemarks. Porque para que alguém te ame, é preciso que você ame a si mesmo. E normalmente os empresários de pequenos negócios são apaixonados pelo que fazem.

Lançamento do Programa Pequenos & Notáveis no Amazonas

Foto: Leonardo F. Freitas
No próximo dia 03, lançaremos em Manaus o Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, qual envolve uma série de ações e ferramentas de capacitação de pessoas e qualificação de serviços idealizadas e executadas, a partir da parceria entre o SEBRAE, a ABIH e suas seccionais nos estados, além do Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH.

Esperamos contar com sua presença, empresário de Manaus, mas também de Santarém. Este é o momento de conhecer o programa, mas também de confraternização e celebração.

Nas primeiras ações de campo do programa, que acontecerão nas 12 cidades sede do mega evento esportivo que sediaremos em 2014, nossos objetivos principais são:

1. Apresentar o programa aos empresários de pequenos meios de hospedagem das cidades sede e dos destinos do entorno.
2. Escutar e identificar as opiniões e sugestões dos presentes sobre as ações do programa.
3. Iniciar o processo de formação de uma rede de pequenos meios de hospedagem no norte do Brasil.
4. Realizar pesquisa diagnóstica que subsidiará importantes ações de qualificação para o setor nos próximos anos.
5. Implementar o processo de mobilização para as ações do programa nas cidades sede e nos destinos do entorno.

O lançamento do programa acontecerá em Manaus no dia 03/03 (quinta-feira), das 14 às 17hs, na Casa do turismo, localizado à Rua C4, número 5, Conjunto Celetramazon, Adrianópolis.

Participe e faça o giro certo, confirme sua presença.

RSVP - Daniela Teixeira
Email: assessoria.ibh@abih.com.br / Fone: 61 3327-7290

O programa já foi lançado em Cuiabá, Belo Horizonte, Brasília, Recife e Fortaleza. Leia depoimentos de quem já participou.

“Esse projeto será um marco para os pequenos empreendimentos que ficam a cerca de 100 km de Recife, já que com qualidade no atendimento, podemos contribuir com os esforços institucionais da Secretária de Turismo do estado, em promover o destino Pernambuco, absorvendo não só a demanda por um tipo específico de hospedagem, mas recebendo os hóspedes que não encontram vagas em cidades como Olinda, por exemplo.” Maria Thereza Chaves Fiúza - Presidente da Associação Pernambucana de Turismo Rural e Ecológico – APETURR

“O projeto é de suma importância para nossa região. Não só para receber os turistas que vierem para Recife em função da Copa do Mundo, mas para colocar o estado de Pernambuco em pé de igualdade competitiva tanto como destino, quanto na qualidade dos serviços prestados pela hotelaria”. Ângelo Gustavo Lins - Representante do Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Olinda


AVISO AOS NAVEGANTES

Nos últimos anos, como você bem sabe, empresas, governos e entidades setoriais passaram a perceber a importância dos pequenos meios de hospedagem para a competitividade e sustentabilidade do turismo brasileiro e estão desenvolvendo ações, projetos e programas específicos para o setor.

Portanto, essa é a hora de estudar o clima, os mapas e as coordenadas, escolher e preparar a tripulação, aproveitar os bons ventos e navegar rumo aos, outrora, distantes sonhos. Não se engane, as oportunidades estão colocadas para que seu PMH alcance mercados internacionais, consolide acordos comerciais com importantes players e materialize os valores e a cultura da empresa.

A ABIH e o SEBRAE não podem capitanear a nau, mas estão montando a Escola de Sagres.


PROGRAMA PEQUENOS E NOTÁVEIS

Fruto de trabalho conjunto entre o SEBRAE, a ABIH e o IBH, o Programa Pequenos e Notáveis foi desenvolvido em razão de grandes desafios que os pequenos meio de hospedagem brasileiros tem à sua frente:
1. Manter-se competitivo em um cenário de disputa internacional;
2. Combinar rentabilidade e aumento da ocupação com um sistema de gestão da qualidade eficiente;
3. Desenvolver um sistema de gestão da sustentabilidade adequado às suas necessidades e limitações;
4. Fazer com que o negócio alcance os desejos dos empresários, hóspedes, funcionários e parceiros.

O programa originou-se, a partir da missão da ABIH, que é representar os interesses e promover o desenvolvimento sustentável dos meios de hospedagem e do setor de turismo, na promoção de um ambiente favorável aos negócios, à competitividade e à qualificação permanente das empresas, pessoas, processos e serviços. Em função disso, estabeleceu parceria com as ABIHs estaduais, o SEBRAE e suas representações estaduais, para executar o Programa Nacional de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, também conhecido por sua alcunha, Pequenos e Notáveis.

A ABIH Nacional articulou o desenvolvimento e viabilizou boa parte dos recursos financeiros do programa, e está também auxiliando os processos de mobilização.

O SEBRAE viabilizou a maior parte dos recursos financeiros do programa e disponibilizou uma série de mecanismos de gestão e inovação a serem utilizados nas atividades de qualificação e capacitação.

O SEBRAEs
e as ABIHs dos estados do Amazonas e do Pará promovem os processos de mobilização e viabilizam recursos para as ações presenciais do programa.

O Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH executa o programa.


COLABORE COM O PROGRAMA

Antes mesmo de participar do evento, você já pode começar a colaborar conosco. Suas sugestões, críticas e opiniões são fundamentais.

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.

_______________

Crédito foto: Leonardo F. Freitas
http://www.flickr.com/photos/leoffreitas/332360959/

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

A importância dos parques nacionais para a competitividade dos destinos brasileiros.

O Ministério do Turismo - MTur, o SEBRAE e o Instituto Chico Mendes - ICMBio, deram largada hoje a mais uma etapa do inédito Projeto de Fomento aos Parques Nacionais e Entorno.

O projeto pretende ser a referência para próximos projetos que objetivam aumentar a competitividade de destinos turísticos localizados em cinco parques nacionais, por meio da aproximação entre a cadeia produtiva e os gestores das unidades de conservação. Os cinco parques nacionais e os respecitos destinos envolvidos são:



Parque Nacional de Anavilhanas - Novo Airão e Manau
Parque Nacional Aparados da Serra - Cambará do Sul e Praia Grande
Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros - Alto Paraíso e Cavalcante
Parque Nacional de Fernando de Noronha - Ilha de Fernando de Noronha
Parque Nacional da Serra dos Órgãos - Petropólis, Teresópolis, Nova Friburgo

As primeiras etapas do projeto a realização de pesquisas, diagnóstico e o mapeamento foram realizados pela Associação Brasileiras das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (ABETA).

As próximas etapas, que prevêem cerca de 07 idas a campo, em cada parque nacional, de consultores especialistas em ecoturismo, parques nacionais, integração de cadeia produtiva, entre outros, acontecerão a partir de abril deste ano.

Ontem, representantes do MTur, do SEBRAE, do ICMBio, das secretarias de turismo dos estados e dos municípios, além dos coordenadores e consultores do projeto, e também de um diagnóstico sobre como estão os elos da cadeia produtiva desta oferta. Além destes diagnósticos foram apresentadas também as primeiras versões de mapas turísticos que serão utilizados em campanhas de promoção dos parques nacionais, nos quais aparecem em destaque os atrativos do parques e do entorno.

Hoje, os presentes foram divididos em grupos com o objetivo de customizar a metodologia de intervenções presenciais (idas a campo) de acordo com as características de cada parque nacional e entorno. Foram também pré-definidos os cronogramas para cada parque nacional.

Como tarefa para casa, as entidades, sobretudo àquelas ligadas mais proximamente ao parque e aos destinos do entorno, avaliarão os diagnósticos apresentados e os mapas, no sentido de propor eventuais melhorias. Essas avaliações devem correr nos próximos 15 dias.

Nesse meio tempo, os SEBRAES dos estados em que estão sediados os parques nacionais, devem começar as contratações dos consultores que vão a campo.

-----------

Ajude-nos a construir este canal de comunicação e disseminação de informações sobre o desafio diário de gerenciar e manter a competitividade de pequenos e notáveis meios de hospedagem.

Poste um comentário, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Google Analytics Avançado.

Uma ferramenta de análise de web hospedada nos servidores do Google, que monitora suas visualizações de páginas e o comportamento dos usuários do seu sítio eletrônico.

Em dezembro de 2010, escrevemos um artigo que explica a sentença anterior, e que portanto esclarece as ferramentas básicas do Google Analytics.

Tratemos agora de ferramentas avançadas. Se você já começou a brincar com o Google Analytics e está fascinado com a avaliação e as possibilidades desta ferramenta, com certeza vai gostar do que irá ler. Se ainda não está habituado com o Anallytics, não perca tempo. Veja os vídeos que explicam como começar a usar a ferramenta e mãos à obra. Vai descobrir coisas interessantes sobre o comportamento dos seus hóspedes e clientes potenciais.

1. Avalie as tendências, mas não os números absolutos
Segundo a Google Brasil, toda a informação gerada em análise de dados da Internet é incompleta, com perda de informação recorrentes, portanto os números absolutos não podem traduzir por completo o comportamento dos usuários de seu sítio eletrônico.

2. O análise do comportamento mostra a tendência, mas não responde porque.
Sua análise te dará, no máximo, alguns indicativos, mas não te responderá, por exemplo, porque você perde em taxa de conversão em alguma página. Há duas formas de você entender os porquês. A primeira seria perguntar aos usuários do seu sítio o que é complicado e caro. A outra é analisar a busca interna do seu sítio. Nele, a análise poderá te mostrar, por exemplo, quais tipos de conteúdo os usuários tem dificuldade de encontrar ou em que página ele costuma se perder.

3. Meta é uma página do sítio que um usuário acessa depois de concluir uma ação desejada.
Portanto, se o importante para o seu sítio é que o usuário chegue na página onde ele pode fazer uma reserva, isto é uma meta.

4. O caminho de funil é o que os visitantes devem seguir para atingir uma meta.
Ao defini-lo, você poderá monitorar a frequência com que os visitantes que iniciam um processo de conversão o concluem de fato.
Você poderá monitorar com o Google Analytics se os usuários estão usando aquele perfil que você acredita ser o mais fácil, ou se estão se perdendo no caminho. Isso te permitirá aprimorar o caminho nas páginas com alta taxa de saída.

-----------------------

Ajude-nos a construir este canal de comunicação e disseminação de informações sobre o desafio diário de gerenciar e manter a competitividade de pequenos e notáveis meios de hospedagem.

Poste um comentário, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Certificação de hotéis em gestão da sustentabilidade

À época de sua publicação, a NBR 15401 - Meios de Hospedagem, Sistema de Gestão da Sustentabilidade e Requisitos, foi vista como complexa e muito longe da realidade dos meios de hospedagem por considerável parte dos empresários brasileiros.

Depois de experiências bem sucedidas de alguns poucos empresários visionários, as iniciativas para retomar a disseminação das tecnologias e ferramentas necessárias para o planejamento e a execução das ações que permitem aos meios de hospedagem se adequar aos requisitos e se candidatar ao selo de certificação vão aparecendo.

Neste momento, por exemplo, estamos no início da fase de produção de uma manual de gestão da sustentabilidade para pequenos meios de hospedagem, o qual objetiva transformar o conteúdo da norma em ferramentas de gestão aplicadas, ou seja, que possam ser executados por empresários e gestores de PMHs. As ferramentas que serão apresentadas no manual, pretendem ser passíveis de aplicação, sem que haja necessidade de recursos financeiros ou recursos humanos, materiais e tecnológicos fora da realidade do mercado brasileiro.

Finalmente, o manual trará exemplos de melhores práticas do setor no Brasil e no mundo, de maneira que os empresários e gestores de pequenos meios de hospedagem brasileiros possam aplicar à realidade do seu negócio e do destino em que está localizado uma experiência que já é comprovadamente um sucesso.

Outra iniciativa que pretende retomar a disseminação das tecnologias e ferramentas que possibilitam aos meios de hospedagem brasileiros alcançar a certificação em turismo sustentável, também integra esforços do poder público, das entidades setoriais privadas e empresários.

O SEBRAE, o Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade - IBPQ, a Secretaria de Turismo de Cabo Frio, em parceria com a Associação de Hotéis e Pousadas, Convention e Visitors Bureau e Associação Comercial Industrial e Turística (ACIA), desenvolveu um programa para ajudar os empreendimentos a se adequar à NBR 15401.

------------

Ajude-nos a construir este canal de comunicação e disseminação de informações sobre o desafio diário de gerenciar e manter a competitividade de pequenos e notáveis meios de hospedagem.

Poste um comentário, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Lançamento do Programa Pequenos & Notáveis em São Paulo

Em 01/03, lançaremos, na capital paulista, o Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, qual envolve uma série de ações e ferramentas de capacitação de pessoas e qualificação de serviços idealizadas e executadas, a partir da parceria entre o SEBRAE, a ABIH e suas seccionais nos estados, além do Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH.

Esperamos contar com sua presença, empresário de São Paulo e região metropolitana, assim como dos circuitos das Águas, da Mata Atlântica, e da Mantiqueira. Este é o momento de conhecer o programa, mas também de confraternização e celebração.

Nas primeiras ações de campo do programa, que acontecerão nas 12 cidades sede do mega evento esportivo que sediaremos em 2014, nossos objetivos principais são:

1. Apresentar o programa aos empresários de pequenos meios de hospedagem das cidades sede e dos destinos do entorno.
2. Escutar e identificar as opiniões e sugestões dos presentes sobre as ações do programa.
3. Iniciar o processo de formação de uma rede de pequenos meios de hospedagem em São Paulo.
4. Realizar pesquisa diagnóstica que subsidiará importantes ações de qualificação para o setor nos próximos anos.
5. Implementar o processo de mobilização para as ações do programa nas cidades sede e dos destinos do entorno.

O lançamento do programa acontecerá em São Paulo, no dia 01/03 (terça-feira), das 14 às 17hs, no Hotel Tryp Paulista, localizado à Rua Haddok Lobo, 294, Cerqueira Cesar, 01414-000.

Participe e faça o giro certo, confirme sua presença.

RSVP - Daniela Teixeira
Email: assessoria.ibh@abih.com.br / Fone: 61 3327-7290

O programa já foi lançado em Cuiabá, Belo Horizonte, Brasília, Recife e Fortaleza. Leia depoimentos de quem já participou.

“Esse projeto será um marco para os pequenos empreendimentos que ficam a cerca de 100 km de Recife, já que com qualidade no atendimento, podemos contribuir com os esforços institucionais da Secretária de Turismo do estado, em promover o destino Pernambuco, absorvendo não só a demanda por um tipo específico de hospedagem, mas recebendo os hóspedes que não encontram vagas em cidades como Olinda, por exemplo.” Maria Thereza Chaves Fiúza - Presidente da Associação Pernambucana de Turismo Rural e Ecológico – APETURR

“O projeto é de suma importância para nossa região. Não só para receber os turistas que vierem para Recife em função da Copa do Mundo, mas para colocar o estado de Pernambuco em pé de igualdade competitiva tanto como destino, quanto na qualidade dos serviços prestados pela hotelaria”. Ângelo Gustavo Lins - Representante do Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Olinda


COLABORE COM O PROGRAMA

Antes mesmo de participar do evento, você já pode começar a colaborar conosco. Suas sugestões, críticas e opiniões são fundamentais.

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.


AVISO AOS NAVEGANTES

Nos últimos anos, como você bem sabe, empresas, governos e entidades setoriais passaram a perceber a importância dos pequenos meios de hospedagem para a competitividade e sustentabilidade do turismo brasileiro e estão desenvolvendo ações, projetos e programas específicos para o setor.

Portanto, essa é a hora de estudar o clima, os mapas e as coordenadas, escolher e preparar a tripulação, aproveitar os bons ventos e navegar rumo aos, outrora, distantes sonhos. Não se engane, as oportunidades estão colocadas para que seu PMH alcance mercados internacionais, consolide acordos comerciais com importantes players e materialize os valores e a cultura da empresa.

A ABIH e o SEBRAE não podem capitanear a nau, mas estão montando a Escola de Sagres.


PROGRAMA PEQUENOS E NOTÁVEIS

Fruto de trabalho conjunto entre o SEBRAE, a ABIH e o IBH, o Programa Pequenos e Notáveis foi desenvolvido em razão de grandes desafios que os pequenos meio de hospedagem brasileiros tem à sua frente:
1. Manter-se competitivo em um cenário de disputa internacional;
2. Combinar rentabilidade e aumento da ocupação com um sistema de gestão da qualidade eficiente;
3. Desenvolver um sistema de gestão da sustentabilidade adequado às suas necessidades e limitações;
4. Fazer com que o negócio alcance os desejos dos empresários, hóspedes, funcionários e parceiros.

O programa originou-se, a partir da missão da ABIH Nacional, que é representar os interesses e promover o desenvolvimento sustentável dos meios de hospedagem e do setor de turismo, na promoção de um ambiente favorável aos negócios, à competitividade e à qualificação permanente das empresas, pessoas, processos e serviços. Em função disso, estabeleceu parceria com as ABIHs estaduais, o SEBRAE e suas representações estaduais, para executar o Programa Nacional de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, também conhecido por sua alcunha, Pequenos e Notáveis.

A ABIH Nacional articulou o desenvolvimento e viabilizou boa parte dos recursos financeiros do programa, e está também auxiliando os processos de mobilização.

O SEBRAE viabilizou a maior parte dos recursos financeiros do programa e disponibilizou uma série de mecanismos de gestão e inovação a serem utilizados nas atividades de qualificação e capacitação.

O SEBRAE/SP e a ABIH/SP promovem os processos de mobilização e viabilizam recursos para as ações presenciais do programa.


O Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH está executando o programa.


quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Plano Aquarela 2020. Marketing turístico Internacional do Brasil.

Como dissemos no post de ontem e entre outros posts ao longo destes mais de 04 meses de blog dos pequenos & notáveis, cada vez mais os empresários brasileiros precisam tomar para si uma parcela considerável da responsabilidade por tonrar o Brasil um destino competitivo.

E esse assumir de responsabilidade inclui conhecer os programas, projetos e ações realizados pela gestão pública, em suas esferas federal, estadual e municipal.

O Plano Aquarela 2020 - Marketing Turístico Internacional do Brasil, por exemplo, estabelece, em termos estratégicos, o posicionamento do marketing brasileiro no mercado internacional, a partir do entendimento da vocação ou das vocações do Brasil como destino, mas também a observar as tendências do mercado mundial de turismo.

Destacando, como não poderia deixar de ser, os grandes eventos esportivos que sediaremos em 2014 e 2016, o Plano Aquarela 2020, nas palavras do então Ministro Luiz Barreto, traça metas e objetivos para que o Brasil consiga antes, durante e depois dos grandes eventos esportivos se projetar como destino turístico no exterior e, além de aumentar o fluxo de turistas estrangeiros, incentivar que suas viagens ao país durem mais tempo, visitem novos destinos que vão despontar com a grande exposição que teremos na mídia internacional.

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DO PLANO AQUARELA 2020

Aprimorar e ter resultados de longo prazo no trabalho de promoção turística internacional do Brasil.

Envolver os setores público e privado do turismo nacional numa estratégia unificada do país para o exterior para melhor aproveitar as oportunidades do futuro.

Promover o Brasil como destino turístico global de forma profissional, com base em estudos, pesquisas e metas de resultados além de 2014 e 2016.

Aproveitar a realização dos grandes eventos esportivos mundiais para fazer o Brasil mais conhecido pelo mundo como destino turístico.

EIXOS DE ATUAÇÃO DO PLANO AQUARELA 2020

Aprender com as experiências anteriores dos países que já realizaram os grandes eventos esportivos.

Planejar e monitorar as ações, parcerias, resultados e novos desafios que surgirão de 2010 até 2020

Atualizar a imagem que o mundo tem do país.

Proporcionar uma experiência sensacional aos turistas.

VISÃO DE FUTURO DO PLANO AQUARELA 2020

O Brasil é um país ao qual sempre temos que regressar. Um país extenso e intenso, onde encontramos e sentimos. Um país excelente e competente. Um país com grande diversidade natural e cultural. Um país com identidade própria, onde o povo define e marca esta diferença. Um país moderno, modelo de sustentabilidade. O Brasil é um país sensacional!

Baixe o Plano Aquarela 2020 e conheça outras informações importantes sobre o planejamento do marketing turístico internacional do Brasil.

Ajude-nos a construir este canal de comunicação e disseminação de informações sobre o desafio diário de gerenciar e manter a competitividade de pequenos e notáveis meios de hospedagem.

Poste um comentário, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Sua colaboração é fundamental para que o Brasil aumente sua competitividade no mercado

Caso o seu pequeno e notável meio de hospedagem esteja localizado em um destino indutor, sua tarefa é ainda mais importante, mas ao mesmo tempo maiores são as fontes de recurso para a execução de projetos, maiores são os investimentos dos governos federal e estadual, e maiores são as ferramentas disponibilizadas para planejamento, monitoramento e avaliação de resultados de projetos, assim como de gestão e fortalecimento das instâncias de governança.

O Ministério do Turismo, por meio do Instituto Marca Brasil e da Fundação Getúlio Vargas, executa o Projeto Gestão dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional, no qual a participação do setor privado, representado pelas entidades setoriais privadas, tem papel fundamental no planejamento e na execução das ações.

Esse projeto é um dos pilares do processo de descentralização do poder de decisão e da execução das ações, que saem da esfera federal para a esfera local, possibilitando aos agentes locais desenhar e executar projetos prioritários sob a sua ótica.

Objetiva capacitar os atores locais para a gestão em turismo, ampliar os conhecimentos sobre planejamento estratégico e fortalecer a governança e a inter-relação dos destinos com as regiões em que estão inseridos.

Esse desafio está hoje facilitado por uma série de estudos e ferramentas disponibilizados por consultores que viajam o Brasil para encontros com a instâncias de governança dos destinos, nas quais são sociabilizados conhecimentos e apresentadas boas práticas de outros destinos, desenvolvidas técnicas de reconhecimento do cenário em que se encontram os destinos e as instâncias de governança, entre outras tantas contribuições.

Estes estudos e ferramentas possibilitam que cada um dos 65 destinos indutores tenham a capacidade de avaliar a competitividade do destino, monitorar a evolução dos indicadores que definem o nivel de competitividade, e ainda, compartilhar entre os participantes os projetos executados pelas entidades locais.

Esse compartilhamento dos projetos é feito através de um software contratado pelo Mtur, acessado eletronicamente (via Internet) e gerenciado pelos coordenadores do grupo gestor, que é a governança do projeto .

Neste sistema, todos os projetos executados pelas entidades que fazem parte do grupo gestor são publicados num formato padrão que indica questões básicas de qualquer projeto (ações, prazos, recursos, responsáveis, metas, etc.), mas também relacionam os projetos com os indicadores que pretendem melhorar, e o grau de prioridade daquele projeto de acordo com as necessidades do destino apontadas pelos indicadores de competitividade.

Muita informação de uma só vez?

Então façamos o seguinte. Se seu PMH está localizado em um dos 65 destinos indutores, segundo o Plano Nacional de Turismo, não perca tempo. Procure a entidade que o representa e procure se inteirar sobre as ações em curso, a quantas anda o sistema de gestão e o grupo gestor, e como você pode ajudar.

Se seu PMH não está em um dos 65 destinos indutores, saiba que este trabalho se estenderá para outros 50 destinos brasileiros.


Ajude-nos a construir este canal de comunicação e disseminação de informações sobre o desafio diário de gerenciar e manter a competitividade de pequenos e notáveis meios de hospedagem.

Poste um comentário, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

1, 2, 3, 4 ou 5 estrelas?

Em breve entrará em vigor o novo Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem, a partir da publicação dos documentos referenciais. Após esta publicação os meios de hospedagem poderão solicitar a classificação, via Sistema Cadastur.

Construído por meio de uma ampla parceria entre o Ministério do Turismo, IINMETRO, Sociedade Brasileira de Metrologia e sociedade civil, é um instrumento reconhecido oficialmente para divulgar informações claras e objetivas sobre os meios de hospedagem, sendo importante mecanismo de comunicação com o mercado e o modo mais adequado para o consumidor escolher quais os meios de hospedagem deseja utilizar, segundo prevê o Ministério do Turismo.

Com avaliação que indica o meio de hospedagem entre as categorias 1 e 5 estrelas, o sistema de classificação, a exemplo do que ocorre em importantes destinos turísticos como a França, Alemanha, Portugal e no nosso vizinho Chile, é uma estratégia para promover e assegurar a competitividade do Brasil em um mercado global e altamente disputado.

É importante, portanto, que os meios de hospedagem comecem a se preparar para a classificação. O primeiro passo para isso é conhecer a cartilha básica, produzida pelo MTur, adequada ao seu negócio. Clique aqui e acesse a página que contém os arquivos para download.

Como a maioria dos PMHs com que temos trabalhado no Programa Pequenos e Notáveis são pousadas, vamos a seguir listar alguns dos principais requisitos para a classificação, como exemplo para você se inteirar.

Segundo o sistema, uma pousada é um meio de hospedagem de característica arquitetônica predominantemente horizontal, com até três pavimentos, 30 unidades habitacionais e 90 leitos, com serviços de recepção e alimentação. Nota: a pousada pode ser em um prédio único ou com chalés ou bangalôs.

Os requisitos podem ser mandatórios (de cumprimento obrigatório pelo meio de hospedagem) ou eletivos (de livre escolha do meio de hospedagem, tendo como base uma lista pré-definida) dependendo da classificação. Para ser classificado na categoria pretendida o meio de hospedagem deve ser avaliado por um representante legal do Inmetro e demonstrar o atendimento a 100% dos requisitos mandatórios e a 30% dos requisitos eletivos (para cada conjunto de requisitos).

Os requisitos são divididos ainda em três categorias.

Infraestrutura : vinculados às instalações e aos equipamentos.

Climatização (refrigeração/ventilação/calefação).
Área de estacionamento.

Serviços: vinculados à oferta de serviços.

Serviço de recepção aberto e acessível por telefone.
Pagamento com cartão de crédito ou de débito.
Monitoramento das expectativas e impressões dos hóspedes em relação aos serviços ofertados, incluindo pesquisas de opinião, espaço para reclamações e meios para solucioná-las.

Sustentabilidade: vinculados às ações de sustentabilidade (ambientalmente responsável, socialmente justa e economicamente viável.

Medidas permanentes para redução do consumo de energia elétrica e de água.
Medidas permanentes para geração de trabalho e renda para a comunidade local.
Medidas permanentes de treinamento para colaboradores.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Lançamento do Programa Pequenos & Notáveis no DF e GO

No próximo dia 21, lançaremos em Brasília o Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, qual envolve uma série de ações e ferramentas de capacitação de pessoas e qualificação de serviços idealizadas e executadas, a partir da parceria entre o SEBRAE, a ABIH e suas seccionais nos estados, além do Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH.

Esperamos contar com sua presença, empresário do Distrito Federal, mas também de destinos localizados em Goiás, principalmente Pirenópolis e Alto Paraíso. Este é o momento de conhecer o programa, mas também de confraternização e celebração.

Nas primeiras ações de campo do programa, que acontecerão nas 12 cidades sede do mega evento esportivo que sediaremos em 2014, nossos objetivos principais são:

1. Apresentar o programa aos empresários de pequenos meios de hospedagem das cidades sede e dos destinos do entorno.
2. Escutar e identificar as opiniões e sugestões dos presentes sobre as ações do programa.
3. Iniciar o processo de formação de uma rede de pequenos meios de hospedagem no Distrito Federal e em Goiás.
4. Realizar pesquisa diagnóstica que subsidiará importantes ações de qualificação para o setor nos próximos anos.
5. Implementar o processo de mobilização para as ações do programa nas cidades sede e dos destinos do entorno.

O lançamento do programa acontecerá em Brasíilia no dia 21/02 (segunda-feira), das 15 às 18hs, no auditório da sede do CETEB/IMP. SGAS 603 Conjunto C - L2 Sul. Entre a Igreja Batista Central e a Casa do Candango.

Participe e faça o giro certo, confirme sua presença.

RSVP - Daniela Teixeira
Email: assessoria.ibh@abih.com.br / Fone: 61 3327-7290

O programa já foi lançado em Cuiabá, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza. Leia depoimentos de quem já participou.

“Esse projeto será um marco para os pequenos empreendimentos que ficam a cerca de 100 km de Recife, já que com qualidade no atendimento, podemos contribuir com os esforços institucionais da Secretária de Turismo do estado, em promover o destino Pernambuco, absorvendo não só a demanda por um tipo específico de hospedagem, mas recebendo os hóspedes que não encontram vagas em cidades como Olinda, por exemplo.” Maria Thereza Chaves Fiúza - Presidente da Associação Pernambucana de Turismo Rural e Ecológico – APETURR

“O projeto é de suma importância para nossa região. Não só para receber os turistas que vierem para Recife em função da Copa do Mundo, mas para colocar o estado de Pernambuco em pé de igualdade competitiva tanto como destino, quanto na qualidade dos serviços prestados pela hotelaria”. Ângelo Gustavo Lins - Representante do Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Olinda


COLABORE COM O PROGRAMA

Antes mesmo de participar do evento, você já pode começar a colaborar conosco. Suas sugestões, críticas e opiniões são fundamentais.

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.


AVISO AOS NAVEGANTES

Nos últimos anos, como você bem sabe, empresas, governos e entidades setoriais passaram a perceber a importância dos pequenos meios de hospedagem para a competitividade e sustentabilidade do turismo brasileiro e estão desenvolvendo ações, projetos e programas específicos para o setor.

Portanto, essa é a hora de estudar o clima, os mapas e as coordenadas, escolher e preparar a tripulação, aproveitar os bons ventos e navegar rumo aos, outrora, distantes sonhos. Não se engane, as oportunidades estão colocadas para que seu PMH alcance mercados internacionais, consolide acordos comerciais com importantes players e materialize os valores e a cultura da empresa.

A ABIH e o SEBRAE não podem capitanear a nau, mas estão montando a Escola de Sagres.


PROGRAMA PEQUENOS E NOTÁVEIS

Fruto de trabalho conjunto entre o SEBRAE, a ABIH e o IBH, o Programa Pequenos Notáveis foi desenvolvido em razão de grandes desafios que os pequenos meio de hospedagem brasileiros tem à sua frente:
1. Manter-se competitivo em um cenário de disputa internacional;
2. Combinar rentabilidade e aumento da ocupação com um sistema de gestão da qualidade eficiente;
3. Desenvolver um sistema de gestão da sustentabilidade adequado às suas necessidades e limitações;
4. Fazer com que o negócio alcance os desejos dos empresários, hóspedes, funcionários e parceiros.

O programa originou-se, a partir da missão da ABIH Nacional, que é representar os interesses e promover o desenvolvimento sustentável dos meios de hospedagem e do setor de turismo, na promoção de um ambiente favorável aos negócios, à competitividade e à qualificação permanente das empresas, pessoas, processos e serviços. Em função disso, estabeleceu parceria com as ABIHs estaduais, o SEBRAE Nacional e suas representações estaduais, para executar o Programa Nacional de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, também conhecido por sua alcunha, Pequenos & Notáveis.

A ABIH Nacional articulou o desenvolvimento e viabilizou boa parte dos recursos financeiros do programa, e está também auxiliando os processos de mobilização.

O SEBRAE Nacional viabilizou a maior parte dos recursos financeiros do programa e disponibilizou uma série de mecanismos de gestão e inovação a serem utilizados nas atividades de qualificação e capacitação.

O SEBRAEs e as ABIHs do Distrito Federal e de Goiás estão auxiliando os processos de mobilização e viabilizando recursos para as ações presenciais do programa.

O Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH está executando o programa.


terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Como ser diferente em um mercado de produtos iguais e vendas baseadas em preço

"A definição de insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados diferentes." Albert Einstein

No mês de dezembro publicamos um artigo que tratava de um estudo feito pela Amadeus intitulado Hotéis 2020: Além da Segmentação - Estratégias para crescer em uma era de personalização e mudanças em escala global.

Neste artigo, um dos apontamentos para o futuro do negócio de meios de hospedagem era o de que se transformaram, em um futuro breve, em laboratórios de experimentação, na qual cada interação com os hóspedes passa a ser uma potencial fonte de feedback e novas idéias.

Os meios de hospedagem que estão se adiantando a este cenário, conseguem deixar de ser iguais, portanto se transformam num empreendimento diferente, capazes de motivar uma demanda que não tomará uma decisão de compra, a partir tão somente do preço.

Mas então, como conseguir ser diferente em um mercado de produtos iguais e vendas baseadas em preço. A Endeavor Brasil procurou o consultor André Santos da OThink Soluções Empresariais para responder a essa pergunta.

André faz uma comparação entre o que significa vender para uma empresa que vende produtos e serviços únicos e outra que vende produtos e serviços substituíveis (commodities).

Vamos analisar os dois tipos de perfil de empresa para compreender o que é ser diferente. Extrapolando com certa profundidade o pensamento apresentado pelo André Santos, num pequeno meio de hospedagem que vende produtos e serviços substituíveis

os clientes sabem o que querem - um pequeno meio de hospedagem no destino tal.

os produtos são padronizados - ar condicionado, frigobar, cama king size, colchão D75, piscina, café da manhã, etc.

os produtos são voltados para o preço - o cliente vai escolher aquele PMH que é mais barato e que tem mais facilidade pagamento.

o valor está no produto - quantos m2 tem o quarto; quantos itens tem o café da manhã; quantas horas de late check out.

De outro lado, na empresa que transformou o negócio em um labortório de experimentação e inovação, em que a flexibilidade é ampliada a altos níveis,

os hóspedes precisam de ajuda para definir sua compra - porque a maneira como você oferece seus serviços e produtos, somado ao desconhecimento do hóspede sobre a variedade de serviços que pequenos meios de hospedagem podem ofertar, deixam em aberto como será o produto final.

os produtos são customizados - almoço preparado com ingredientes escolhidos pelo hóspede; guia (condutor de visitantes) falando russo; quartos com características, tamanhos, equipamentos e decoração diferentes; marca de vinho escolhida com antecedência e comprada em empório da capital mais próxima.

os produtos ou serviços são voltados para os benefícios - os clientes são convencidos de que embora venham a pagar mais, suas necessidades e desejos serão satisfeitos. Política de preços flexível, que permita se adequar em termos do número de diárias, da temporada, do tamanho do grupo, da fidelidade do hóspede.

o valor está na forma de vender pela força de vendas - "As pessoas não compram idéias, produtos ou serviços; compram as sensações que experimentam quando se imaginam de posse daquilo que temos a ofertar. A chave mental para despertar o desejo de compra em uma pessoa é fazê-la imaginar o que poderá ser feito com o que temos para lhe vender." Robert Miller, fundador da Miller Heiman Co.

Interessante essa abordagem?

Veja o vídeo na integra clicando aqui.

Ajude-nos a construir este canal de comunicação e disseminação de informações sobre o desafio diário de gerenciar e manter a competitividade de pequenos & notáveis meios de hospedagem.

Poste um comentário, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.


André Santos é Gerente Sênior da OThink Soluções Empresariais, especialista em Vendas de Solução e Vendas Estratégicas, formado em Administração na UFRJ, com especialização na Star’s Edge (Florida, EUA), Coppead/RJ e Fundação Dom Cabral/MG. Tem realizado trabalhos de sucesso em áreas comerciais no Brasil, Argentina e México, tendo como clientes empresas de vários portes, incluindo líderes de mercado e multinacionais.


segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

5 Dicas para aproveitar feiras de turismo

Você talvez ainda não teve a oportunidade de participar de uma rodada de negócios em uma feira nacional ou internacional, mas provavelmente já ouviu falar do Salão do Turismo promovido pelo Ministério do Turismo, da Feira das Américas promovida pela ABAV, da BNT Mercosul que acontece no Balneário Camboriú ou do Festival de Turismo de Gramado.

Talvez, ainda que não tenha participado de nenhuma delas, ouviu falar como é importante se fazer presente a essas feiras para fazer contatos, estreitar ou iniciar acordos comerciais com agências e operadoras, aprimorar conhecimentos, etc.

Se você ainda não teve oportunidade de participar de feiras como essas, nem mesmo as organizadas no seu estado, saiba que as rodadas de negócios, muitas delas organizadas pello SEBRAE, geralmente, concentram-se na negociação entre agências e operadoras emissivas com operadoras de receptivo, como não poderiam deixar de ser, uma vez que são os receptivos quem tem condições de oferecer um produto completo aos agentes emissivos.

De toda sorte, é importante para pequenos & notáveis meios de hospedagem comparecerem a eventos como esse por uma série de outras razões, dentre elas:

  • conhecer operadoras e agências emissivas que vendem destinos com características semelhantes ao do seu PMH; 
  • observar as ações de promoção e apoio a comercialização desenvolvidas pelos governos do seu estado e de outros estados; 
  • estreitar relacionamento e apoiar as ações das operadoras de receptivo do seu destino; 
  • participar de palestras e workshops de capacitação.

Mas, antes de se aventurar em uma dessas feiras, é legal estabelecer um planejamento para sua atuação, sob pena de que você passe pela feira como um visitante, e não como um empreário em busca de oportunidades de negócios, mesmo que seja uma viagem de prospecção.

A sempre pertinente Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, trouxe um artigo, hoje, tratando sobre como aproveitar as feiras. Segundo a jornalista Ana Cristina Dib, autora do artigo, é preciso deixar a timidez de lado, além de ter organização e foco.

A reportagem lista então 5 dicas fundamentais para você aproveitar as feiras.

1. Vá com roupa confortável. Via de regra as feiras de turismo no Brasil ou no exterior são sediadas em grandes espaços, e se você quiser aproveitar bem os eventos precisará caminhar entre uma sala e espaço e outra e passar longos períodos em pé ou sentado. Duram quase que invariavelmente o dia todo, com uma programção que te deixará interessado a participar, portanto trate de não fazer a estréia daquela sapato novo ou de vestir com muito custo aquela calça apertada.

2. Use a hora do almoço para sentar com pessoas novas. As pessoas geralmente se sentem confortáveis e são amistosas em bate papos de almoço. Mas é importante ficar atento para não ser inoportuno, portanto não fale só de negócios e procure falar de coisas agradáveis, de maneira descontraída.

3. Verifique com antecedência as palestras que deseja assistir. Vão ser alguns os especialistas que você quer ouvir, portanto dificilmente conseguirá ver todos. Aqueles de maior renome serão bastante requisitados e muitas vezes com vagas limitadas, portanto planeje sua participação.

4. Tenha bom senso. Palestras e workshops não são momentos adequados para trocar cartões. No mesmo sentido tentar vender produtos ou serviços durante um networking não é aconselhável, normalmente.

5. Mantenha contato. Guardar os cartões na gaveta e nunca entrar em contato não vai fazer com que os relacionamentos iniciados na feira se transformem em negócios.

Se você já participou de uma feira, partilhe conosco suas experiências.

Ajude-nos a construir este canal de comunicação e disseminação de informações sobre o desafio diário de gerenciar e manter a competitividade de pequenos & notáveis meios de hospedagem.

Poste um comentário, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.




sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

O que você precisa saber sobre o seu negócio?

Como vai a saúda de sua empresa? Será que você está no caminho certo? Suas escolhas tem surtido efeito?

Em mais uma excelente matéria da revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, os entrevistados afirmaram que a única maneira de responder a essas questões é adotar indicadores de desempenho. Mas os indicadores adequados ao seu negócio e ao seu perfil de administrador, e não aqueles que o seu vizinho usa ou que te disseram que você deve usar.

Portanto os indicadores fundamentais para o seu negócio, apresentados a seguir para as áreas comercial, de finanças, de gestão de pessoas, e de processos, somente serão realmente fundamentais depois que você os adpatar de acordo com o tipo de resultado que deseja obter.

COMERCIAL
Tíquete médio de venda 
* Objetivo: analisar o aumento ou decréscimo do faturamento bruto em função dos preços praticados 
* Fórmula: venda bruta / total de diárias faturadas 
* Unidade de medida: R$ 

FINANÇAS
Necessidade de capital de giro (NCG) 
* Objetivo: monitorar o volume de recursos demandados para o funcionamento da empresa 
* Fórmula: clientes a receber + estoques - fornecedores a pagar 
* Unidade de medida: R$ 

PESSOAS
Alcance de metas 
* Objetivo: avaliar o resultado das ações direcionadas às equipes de trabalho. A mesma fórmula pode ser usada para determinar os resultados das ações de cada equipe da empresa 
* Fórmula: quantidade total de metas alcançadas /quantidade total de metas a alcançar x 100 
* Unidade de medida: %


PROCESSOS
Produtividade 
* Objetivo: analisar o nível de produtividade do negócio. Essa fórmula pode ser usada para setores comerciais ou de serviços, com a criação de indicadores de produtividade similares 
* Fórmula: quantidade de UHs arrumadas / quantidade de horas investidas 
* Unidade de medida: diárias/hora



Acesse a reportagem da revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios e conheça outros indicadores.

Ajude-nos a construir este canal de comunicação e disseminação de informações sobre o desafio diário de gerenciar e manter a competitividade de pequenos & notáveis meios de hospedagem.

Poste um comentário, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.