quinta-feira, 31 de março de 2011

Curitiba sedia lançamento do Pequenos & Notáveis.

Abertura do evento
Hoje, 31/03, Curitiba sedia o o evento de Lançamento do Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem.

No evento, organizado por SEBRAE, ABIH e IBH, marcam presença e colaboram com o evento, representantes de diferentes destinos curitibanos e catarinenses, com destaque para Blumenau, Curitiba, Fernandes Pinheiro, Florianópolis, Foz do Iguaçu, Ilha do Mel, Guaratuba, Matinhos/Caioba, Quatro Barras, Paranaguá e Sao José dos Pinhais.

Importante destacar as presenças de representantes dos SEBRAEs e das ABIHs dos dois estados, da Secretaria de Turismo do Paraná, e da forte presença de gestores públicos e de gestores de entidades representativas de Blumenau.

Nosso agradecimento a todos que participaram nas figuras de

Faisal Saleh - Secretario do turismo do Paraná
Emil Chartoni -presidente SIHORBS (Sindicato de hoteis, restaurantes, bares e similares de Blumenau) e Presidente do Convention and Visitors Bureau de Blumenau
Henrique Lenz - presidente ABIH/PR
Enrico Fermi - presidente da ABIH/NA
José Eduardo de Almeida - Sec. Municipal de Turismo de Blumenau
Luiza Borba - Diretora de Turismo da Sec. Municipal de Turismo de Blumenau
Aldo Carvalho - Sebrae/PR
Wilson Sanches - Sebrae/SC
Jaime Nascimento - Conselho Municipal de Turismo de Foz do Iguaçu
Tatiane Turra - Diretora do convencion Bureau de Curitiba

Empresários, gestores públicos
e de entidades representativas presentes

Plano Aquarela 2020.

Já falamos aqui sobre o Plano Aquarela 2020, que procura identificar tendências do mercado de turismo e estabelecer estratégias para o marketing turístico internacional do Brasil.

O Plano Aquarela 2020 procura responder a algumas perguntas que nos possibilitam definir um caminho para o trabalho em longo prazo até 2020. Como será o Brasil como destino turístico em 2020? Que imagem os viajantes estrangeiros que nos visitarem daqui a uma década levarão do Brasil? Como será o posicionamento do país no mercado de turismo global após a realização de uma Copa do Mundo e de uma edição dos Jogos Olímpicos? Teremos novos produtos e destinos, novos ícones?

Para tentar compreender como responder a essas perguntas, pode ser interessante observamos uma série de dados utilizado como objeto de investigação para o Plano Aquarela 2020.

Esses dados, combinados com investigações especificas sobre o seu destino, seu negócio e o perfil dos turistas

DADOS E INFORMAÇÕES VALIOSOS

Segundo pesquisa desenvolvida entre 2008 e 2009 pela EMBRATUR e a Fundação Getulio Vargas 92,57% dos estrangeiros que visitam ao Brasil para participar de eventos pretende voltar ao pais. Isso significa, obviamente, que investir em turismo de negócios e eventos não é bom somente à época destas viagens, mas gera demanda potencial para outras. Significa também que, no cômputo geral, a infraestrutura, os serviços, e os atrativos são bem avaliados e satisfizeram as expectativas destes viajantes.

Este visitante, em seu retorno esse visitante internacional quer realizar outras atividades de negócios, mas também de lazer.
75,62% - lazer
28,97% - negócios
12,10% - atividades pessoais
4,09% - outras atividades
5,84% - visitas a amigos e parentes

Nem tão óbvio, tampouco confirmado pelas pesquisas que referenciaram o Plano Aquarela 2020, mas uma avaliação possível de extrapolação, é a de que estes visitantes podem estabelecer uma relação mais próxima com destinos localizados na área de influência daquele que visitou, uma vez que se familiarizou com o destino, obteve informações sobre outros destinos próximos, atividades, atrativos, patrimônios culturais e ambientais.

Seguindo esse raciocínio, é importante que as capitais e os maiores municípios próximos ao seu destino recebam eventos internacionais e turistas em viagens de negócios.

PRINCIPAIS MERCADOS EMISSORES

Os principais mercados emissores para o Brasil, segundo a pesquisa sobre a demanda turística internacional feita pela FIPE em 2008, são por ordem:
41% - América do Sul
35% - Europa
15% - América do Norte
5% - Ásia
2% - África
2% - Outros

Estes mercados mais importantes para o Brasil estão sendo focados nas ações de promoção da EMBRATUR, notadamente:

Argentina e Chile na America do Sul;
Alemanha, Espanha, França, Inglaterra, Itália, Portugal na Europa;
EUA na América do Norte.

MOTIVAÇÃO DA VIAGEM

Na mesma pesquisa da FIPE investigou-se a motivação chegando-se a 41% lazer, 27% negócios e eventos, e 30% outros motivos.

NÚMERO DE TURISTAS ESTRANGEIROS NO BRASIL

De 2003 para cá tivemos uma evolução gradativa do número de turistas estrangeiros no Brasil, passando de 4.132.847 para 5.050.099 em 2008.

terça-feira, 29 de março de 2011

O tamanho das redes sociais.

Você já sabe que investir em redes sociais é a tendência do momento.

Contudo, talvez você não tenha informações sobre o tamanho destes canais de comunicação. A seguir, você observará alguns números, verdadeiramente, impressionantes sobre o número de usuários e o crescimento das redes sociais.

Clique no vídeo abaixo e observe outros números.

Em outra oportunidade conversamos sobre porque investir em redes sociais é barato e tem o potencial para alcançar de maneira bastante assertiva os seus públicos alvo.


Natal sedia lançamento do Pequenos & Notáveis.

Rodrigo Lopes, consultor do IBH
apresentando as ações do Pequenos e Notáveis
Em 29/03, Natal sediou o evento de Lançamento do Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem.

No evento, organizado por SEBRAE, ABIH e IBH, marcam presença e colaboram com o evento, representantes de diferentes destinos potiguares e paraibanos.

Do Rio Grande do Norte, estiveram presentes gestores públicos e empresários de Natal, Lagoa Nova e Upanema.

Da Paraíba, representantes de João Pessoa e Mamanguape.

Importante destacar as presenças de representantes dos SEBRAEs e das ABIHs dos dois estados, Secretaria de Turismo do Rio Grande do Norte, Convention and Visitors Bureau e Secretaria de Turismo de João Pessoa, e  Instituto de Ensino Superior do Estado da Paraíba.

Nosso agradecimento a todos que participaram.


Empresários, gestores de entidades representativas e gestores públicos concentrados no evento.

Por si só, a iniciativa de se promover um evento direcionado aos pequenos meios de hospedagem, é e uma ótima idéia e já é um sucesso. Partindo do ponto de vista que Natal conta com inúmeros meios de hospedagem desse porte (pousadas, albergues, flats e pequenos hotéis), se torna essencial um programa de qualificação destinada a esse público. Soma-se a isso o fato que esse programa não é somente de qualificação, mas também de conscientização sócio-ambiental, preparo comercial e uma ótima ferramenta de auto-avaliação para nós empresários e por fim, a credibilidade do Sebrae, do IBH e da ABiH-RN só fortalecem a segurança e aumenta o interesse dos mesmos.
Silvio Neto - Gerente Administrativo do Araça Praia Flat


sexta-feira, 25 de março de 2011

Rio de Janeiro sedia lançamento do Pequenos & Notáveis.

Rodrigo Lopes, consultor do IBH
SEBRAE, ABIH e IBH realizam neste momento o Lançamento do Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem no Rio de Janeiro.

Marcam presença e colaboram com o evento, com grande representatividade empresários Armação dos Búzios e Niterói. Tambéme estão presentes empresários de Angra dos Reis, Araruama, Campos, Ilha Grande, Niterói, Petrópolis e da capital fluminense.

Importante destacar ainda a participação de gestores públicos, e representantes das regiões turísticas da Costa do Sol e Costa Verde, SindiBuzios e imprensa especializada do turismo.


Gestores públicos, empresários e gestores de PMHs
e gestores de entidades representativas do setor

Pequenos e notáveis na mídia.

Desde o início das ações do Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, a assessoria de impresa da ABIH Nacional e de suas seccionais nos estados, a Agência Sebrae de Notícias e outros profissionais encarregados pela comunicação de entidades parceiras do programa tem se dedicado a difundir informações sobre o programa.

Esse esforço conjunto tem como principal público alvo empresários e gestores de pequenos meios de hospedagem, e como objetivo mais importante a disseminação de informações sobre as ações e a agenda do programa nos destinos.
De toda maneira, os resultados alcançados tem extrapolado este público e este objetivo.

Faça uma busca no Google, no Bing ou no Ecoplanet e veja quantos resultados aparecem se você digitar Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem. Tente agora “pequenos e notáveis” ou “pequenos & notáveis”.

Utilizando qualquer uma dessas frases você chegará a matérias, reportagens e notícias em importantes veículos de comunicação brasileiros, nos mais respeitados veículos especializados em turismo e hotelaria, em sítios eletrônicos dos governos municipais, estaduais e federal, em diferentes blogs que tratam sobre os mega eventos esportivos que vamos sediar em 2014 e 2016.

Vai encontrar referências nos sítios eletrônicos do O Globo, Pequenas Empresas Grandes Negócios, Revista Exame.

Sobretudo nos últimos meses, quando estamos fazendo lançamentos nas cidades sede de 2014, o que gera um grande volume de referencias nos veículos de comunicação, o blog dos pequenos e notáveis passaram a ter uma visitação expressiva, vindo de uma série de fontes que não mais somente os sítios da ABIH e do SEBRAE, as ações de emails marketing e as publicações nas redes sociais.

Temos tido um direcionamento de tráfego para o blog vindo das mais diferentes origens.

E isso é ótimo para disseminar informações para outros públicos. Gestores públicos, responsáveis por parcela considerável do esforço de desenvolvimento e qualificação de destinos turísticos. Representantes de entidades representativas do setor, outros responsáveis por esse desafio. Interessa aos pequenos e notáveis meios de hospedagem brasileiros que esses dois públicos compreendam o esforço de qualificação de serviços e capacitação de pessoas desenvolvido no âmbito do programa. Interessa também que tomem maior conhecimento sobre a importância do setor.

Outro público que tem sido atingido com essas referências em importantes veículos de comunicação é de turistas brasileiros. E interessa que esse público tenha informação sobre o esforço de qualificação de serviços e capacitação de pessoas. Porque eles querem serviços de qualidade, ser atendidos com presteza e nas suas diferentes necessidades e desejos.

Continue colaborando para divulgar nosso esforço.

Encaminhe os emails com as informações sobre o programa aos seus colegas empresários e gestores.

Curta as publicações no Facebook quando você curtir o conteúdo. Retweet nossas comunicações no Twitter quando se identificar com o conteúdo.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Porto Alegre sedia lançamento do Pequenos & Notáveis.

Rodrigo Lopes, consultor do IBH
José Ritter, presidente da ABIH/RS
Enrico Fermi, presidente da ABIH
SEBRAE, ABIH e IBH realizaram ontem o Lançamento do Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem no Rio Grande do Sul.

Estiveram presentes e colaboraram com o evento, empresários de Porto Alegre, Gramado e Igrejinha.

No total de 30 participantes do evento, importante destacar a presença do chefe de gabinete da secretaria de turismo do estado e gestores públicos da secretaria de turismo de Porto Alegre.


Estiveram presentes também a Revista Hotelaria do Sul, Federação das Associações de Municípios do Rio GRande do Sul - FAMURS, a Associação Pró Itapuã e Associação de Turismo Hidromineral de Santa Catarina - ATHISC.

Gestores públicos, empresários
e gestores de entidades do setor
Dirigentes da ABIH Nacional, ABIH/RS e da
ATHISC

Novos negócios, antigos bons costumes.

Empresário ou gestor de um pequeno e notável meio de hospedagem, muito possivelmente tem ampla e comprovada percepção da importância do atendimento personalizado, da satisfação de necessidades e desejos específicos, e da vantagem competitiva decorrente da capacidade de flexibilização e customização dos serviços.

Nunca é demais, no entanto, observar essas questões sobre diferentes óticas. Tennyson Pinheiro, consultor de nível internacional em inovação e design de serviços, escreveu um divertido e competente artigo chamado Resgatando a real razão de servir.
Este artigo, que foi publicado no sítio eletrônico Mundo do Marketing,faz uma crítica à maneira como muitos pequenos negócios, "ao longo dos anos estabeleceu uma corrida maluca de industrialização de processos que culminou em uma perda gradativa, e já total em algumas áreas, do lado humano das interações de serviços".

O processo que deve ser desencadeado para fugir dessa armadilha é, como já apresentamos aqui no artigo Pequenos e Notáveis e Inteligentes, investir na flexibilidade dos serviços de maneira que eles possam ser customizados e personalizados, de acordo com o perfil de cada grupo de hóspedes.

Investir nisso, significa investir em recursos humanos, tecnológicos, financeiros e materiais, e transformar dados e informações em inteligência competitiva.

No que toca à inovação e o design de serviços, e mais especificamente o resgate da real razão de servir, é preciso compreender que para o empresário de um pequeno meio de hospedagem, sobretudo aquele que tem neste negócio como sua principal atividade, que está à frente e na retaguarda da gestão e da operação, o servir como à moda antiga é um processo natural.

Ele o faz, porque quer manter uma atmosfera de tranquilidade em seu negócio. O agrada observar que os hóspedes se sentem em casa, inclusive porque assim, ele mesmo, o empresário, também terá mais tranquilidade para se sentir em casa.

O desafio, portanto, está em conseguir transferir o conhecimento e, porque não, o sentimento que possibilita este servir à moda antiga, para sua equipe. Pequenos meios de hospedagem notórios pelo charme, via de regra, constroem esta atmosfera e, em consequência, potencializam a capacidade da equipe de conseguir transformar necessidades específicas de cada perfil de hóspedes em serviços customizados e personalizados.

Você também conseguiu isso? Conte-nos o seu caso.


-----------

As postagens desse blog tem contribuido para a gestão do seu negócio?

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br) sugerindo assuntos, temas e sítios eletrônicos para qualificar a nossa pesquisa.

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Idéias inovadoras, a partir de antigos costumes.

Interior de um dos mercados
da Food Coop
No bairro do Brooklin, em nova York, um grupo de pessoas se reuniu para resolver um problema e acabou por criar uma solução altamente inovadora, alinhada com os princípios mais modernos de sustentabilidade, sob qualquer ponto de vista, socioeconomico, ambiental ou cultural.

Como tinham pouca oferta de produtos alimentícios de qualidade, frescos, para os quais tivessem segurança sobre a procedência e as práticas de cultivo, esse grupo de pessoas resolveu montar um supermercado sem fins lucrativos, gerenciado por uma cooperativa, na qual somente os cooperados poderiam comprar os produtos, e ainda serem eles próprios os funcionários do negócio, trocando cerca de um dia de trabalho por mês por descontos entre 20 e 40% nas compras.

É uma idéia genial ou não é?

Parece que sim, porque hoje a cooperativa tem cerca de 14.000 membros, todos eles com voz ativa na decisão sobre o planejamento e as decisões sobre o futuro da Park Slope Food Coop e ainda tendo a oportunidade de saber de onde vem seus frutas, legumes, hortaliças e verduras e como são cultivados, gastar muito menos do que antes e ter aulas de culinária de graça com chefes especializados em diferentes tipos de cozinha.

Não seria um absurdo pensar em uma rede como essa envolvendo pequenos meios de hospedagem, restaurantes, bares e similares de um destino turístico, não é mesmo?

------------

As postagens desse blog tem contribuido para a gestão do seu negócio?

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br) sugerindo assuntos, temas e sítios eletrônicos para qualificar a nossa pesquisa.

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.


segunda-feira, 21 de março de 2011

Reciclagem de embalagens longa vida

Entregue embalagens longa vida
para reciclagem
A Tetra pak, gigante das embalagens longa vida, disponibilizou em seu sítio eletrônico na Internet um serviço de busca de locais para entrega de embalagens longa vida para a reciglagem.

A busca, baseada no Google Maps, é muito simples, constantemente atualizada, e traz informações de inúmeros postos de coleta, separados por categoria.

Você pode buscar por todas os tipos de postos de coleta ou selecionar somente aqueles que são mais adequados para você.

Se o seu PMH está em um destino longe de capitais ou de cidades maiores, monte um pequeno galpão para guardar suas embalagens até que tenha um volume que compense a viagem. Estabeleça parcerias com outros PMHs do seu destino quando você não tiver um espaço adequado ou mesmo para fazer um frete até o ponto de coleta mais próximo.

Para viajar pela rota da reciclagem do sítio da Tetra Pak, leia a explicação sobre os tipos de pontos de coleta. Boa parte deles faz a coleta ou a compra de outros tantos materiais recicláveis como PET, outros tipos de plástico, alumínio, entre outros.

PEV Ponto de Entrega Voluntária - estão marcados no mapa em vermelho. São os locais que recebem embalagens longa vida (entre outros materiais) para serem enviados à reciclagem. É o primeiro passo do processo, onde o material doméstico (pouco volume) geralmente é entregue. Boa parte das cidades já conta com estes postos, onde as pessoas podem depositar diretamente o material que separaram em casa.

Cooperativas - estão marcados no mapa em verde. São iniciativas sociais que trabalham com a coleta e triagem do material reciclável (inclusive embalagem longa vida) para beneficiamento e envio aos recicladores. A maior parte do material coletado vem do trabalho dos catadores cooperados ou dos programas de coleta seletiva municipais.

Comércios - estão marcados no mapa em amarelo. São os locais que compram material longa vida (e outros materiais recicláveis) para beneficiamento e envio aos recicladores. Eles adquirem o material, geralmente em grande quantidade, principalmente das cooperativas. Após a fase da coleta, as embalagens longa vida, já enfardadas, são enviadas às empresas recicladoras, que vão se encarregar de separar os elementos que compõem as embalagens e transformá-los em matéria-prima para uma série de aplicações.

------------

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.

domingo, 20 de março de 2011

Semana da Segmentação. Turismo rural.

Turismo rural é o conjunto de atividades turísticas desenvolvidas no meio rural, comprometido com a produção agropecuária, agregando valor a produtos e serviços, resgatando e promovendo o patrimônio cultural e natural da comunidade.

Com esta definição do Ministério do Turismo, em suas Diretrizes para o Desenvolvimento do Turismo Rural no Brasil, podemos compreender como desenvolver negócios e destinos turísticos identificados com o segmento.

Quando fala em meio rural pressupõe a produção e o trabalho familiar, a paisagem, a biodiversidade, o modo de vida, a cultura comunitária e a identificação com os ciclos da natureza. Do comprometimento com a produção agropecuária envolve, mesmo que não seja desenvolvida em escala comercial, as práticas sociais e de trabalho, o ambiente, os costumes e tradições, aspectos arquitetônicos, artesanato, e o modo de vida considerados típicos da

Perfil do consumidor de turismo rural
Segundo estudos do Ministério do Turismo, embora não em dados estatísticos, mas com a contribuição de profissionais do segmento, o consumidor de turismo rural

é morador de grandes centros urbanos;
possui entre 25 e 50 anos;
é casado e viaja com filhos e/ou amigos;
possui ensino médio e/ou superior completo;
descolca-se em automóvel particular, em uma raio de até 150 km do núcleo emissor;
faz viagem de curta duração, em fins de semana e feriados;
organiza suas viagens independentemente;
tem na Internet e nos parentes e amigos sua principal fonte de informação para preparação da viagem;
aprecia a culinária típica;
valoriza produtos autênticos e artesanais;
compra produtos agroindustriais e/ou artesanais.


------------

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.



sexta-feira, 18 de março de 2011

Semana da Segmentação. Turismo cultural.

Patrimônios culturais materiais e imateriais são elementos fundamentais na atratividade do Brasil como destino turístico, sobretudo pela enorme variedade de tradições, manifestações e produções culturais, decorrentes da vastidão do território e dos diferentes povos que se instalaram em terras de, também, diferentes geografia e clima.

São esses patrimônios, sejam eles transformados em produtos turísticos ou não, expressivos geradores de fluxos turísticos para alguns dos mais importantes destinos turísticos brasileiros, como Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo, para citar apenas alguns deles.

Conceituação

Para o Ministério do Turismo, o segmento cultural "compreende as atividades turísticas relacionadas à vivência do conjunto de elementos significativos do patrimônio histórico e cultural e dos eventos culturais, valorizando e promovendo os bens materiais e imateriais da cultura."

Neste amplo campo de atuação, o turismo cultural pode se especializar em diferentes sub-segmentos.

Turismo místico e esotérico - atividades turísticas decorrentes da busca de espiritualidade e do autoconhecimento em práticas, crenças, e rituais considerados alternativos.

Turismo étnico - envolvem a vivência de experiências autênticas e o contato direto com os modos de vida e a identidade de grupos étnicos.

Turismo cinematográfico - deslocamentos motivados para a visitação a locais ou atrações que tiveram aparição no cinema ou na TV. Os locais, na Nova Zelândia, onde foi filmada a série Senhor dos Anéis é um dos mais emblemáticos exemplos do segmento, tendo recebido milhões de turistas desde o lançamento dos filmes e a formatação de produtos turísticos.

Turismo arqueológico - tem como elementos motivadores os sítios arqueológicos e e o patrimônio arqueológico.

Turismo gastronômico - tem como elementos motivadores principais os festivais gastronômicos, além da oferta de bares e restaurantes, sobretudo com foco na gastronomia típica.

Enoturismo - deslocamentos motivados para o conhecimento do processo de produção de vinhos, realizando visitas a vinhedos e vinícolas, fazendo parte da experiência a degustação de vinhos e de seus derivados.

Turismo ferroviário - trens turísticos e culturais caracterizam-se pelo transporte não regular de passageiros, com o objetivo de agregar valor aos destinos turísticos, contribuindo para a preservação da memória ferroviária, configurando-se em atrativos culturais e produtos turísticos das cidades, auxiliando-se na diversificação da oferta.


------------

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.


quinta-feira, 17 de março de 2011

Semana da Segmentação. Ecoturismo.

Difícil traduzir esse termo, na complexidade em que ele se apresenta de acordo com os diferentes contextos, mas se juntarmos favorável, amigo e benéfico do meio ambiente chegamos a um entendimento interessante.

E ter atividades, empreendimentos e comunidades environmentally friendlies é exatamente aquilo que tem buscado gestores públicos, empresas e profissionais do turismo de destinos identificados com o ecoturismo.

Continuando a semana da segmentação, vamos tratar hoje, portanto, deste que é um dos segmentos mais importantes para a geração de fluxos turísticos internacionais para o Brasil, pra a dinamização da cadeia produtiva do setor, e para o desenvolvimento responsável de destinos.

A definição das Diretrizes para uma Política Nacional de Ecoturismo, pioneiro documento no Brasil desenvolvido pelos ministério de Indústria Comércio e Tursimo e Ministério do Meio Ambiente, continua atual e é utilizada no planejamento das atividades do segmento ainda hoje.

"Ecoturismo é um segmento da atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista por meio da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações."

Serviços turísticos identificados com o segmento no Brasil

Transporte

Acesso: aos atrativos do segmento geralmente são por estradas pouco estruturadas, muitas vezes sem pavimentação e com capacidade para trânsito de poucos veículos;
Tipos: apesar de diversos, recomenda-se o uso de meios de transporte adaptados para as condições de acesso, seguros e que produzam impacto reduzido.

Hospedagem - Alguns destinos oferecem meios de hospedagem e alojamentos chamados “ecoturísticos”, inseridos em regiões distantes dos grandes centros urbanos, que podem se situar em áreas protegidas ou núcleos populacionais e comunidades adjacentes a elas. A maioria deles tem poucas acomodações. Atualmente é possível observar iniciativas de turismo de base comunitária e acomodações em casas das comunidades receptoras como uma alternativa de hospedagem. O planejamento de meios de hospedagem para o segmento deve incluir questões organizacionais, de planejamento do local, design das edificações, utilização de energia e infraestrutura dentro do conceito de tecnologias limpas, disposição de resíduos e acessibilidade.

Alimentação - Observa-se que, em geral, é oferecida em conjunto com os serviços de hospedagem, estando caracterizada pela simplicidade, pelo respeito e valorização à culinária e gastronomia locais e pela disponibilidade de alimentos característicos da região.

Condução – A condução exerce papel fundamental no segmento por auxiliar e promover a educação ambiental por meio da interpretação dos recursos. São algumas das principais funções dos guias e condutores em Ecoturismo: organizar, liderar o grupo, interpretar o meio ambiente, motivar o grupo, instruir e prover entretenimento. Nesse sentido é importante que se invista permanentemente em capacitação e aperfeiçoamento.

Receptivo – As agências de turismo locais são essenciais para promover a
relação entre a região turística visitada, o turista e o tipo de experiência por ele vivenciada.

------------

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.



quarta-feira, 16 de março de 2011

Salvador sedia lançamento do Pequenos & Notáveis.

Enrico Fermi - Presidente da ABIH 
e Rodrigo Lopes - consultor do IBH
SEBRAE, ABIH e IBH realizaram em Salvador, o Lançamento do Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem no estado de São Paulo.

O expressivo número de empresários do setor evidenciou a força do setor na Bahia e sucitou a discussão sobre a possibilidade de incluir outros destinos. O Presidente da ABIH/BA solicitou o lançamento do programa também na Região do Cacau, onde estão localizados importantes destinos como Itacaré e Ilhéus.

Também é importante destacar a presença e o compromentimento do SEBRAE/BA. Todos os gestores de projetos de turismo do SEBRAE no estado estiveram presentes. Essa iniciativa visa incrementar a disseminação de informações sobre as ações do programa no estado.

Importante ressaltar ainda a presença expressiva de empresários de Morro de São Paulo, Ilha de Itaparica e Praia do Forte.
Nosso muito obrigado a todos os que participaram.

Expressiva participação no evento
de interessados no setor


José Manoel Garrido - Presidente da ABIH/BA
(à direita)

Lançamento do Programa Pequenos & Notáveis no Rio de Janeiro

No próximo dia 25, lançaremos, no Rio de Janeiro, o Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, qual envolve uma série de ações e ferramentas de capacitação de pessoas e qualificação de serviços idealizadas e executadas, a partir da parceria entre o SEBRAE, a ABIH e suas seccionais nos estados, além do Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH.

Esperamos contar com sua presença, empresário de Angra dos Reis, Búzios, Cabo Frio, Paraty e Rio de Janeiro. Este é o momento de conhecer o programa, mas também de confraternização e celebração.

Nas primeiras ações de campo do programa, que acontecerão nas 12 cidades sede do mega evento esportivo que sediaremos em 2014, nossos objetivos principais são:

1. Apresentar o programa aos empresários de pequenos meios de hospedagem das cidades sede e dos destinos do entorno.
2. Escutar e identificar as opiniões e sugestões dos presentes sobre as ações do programa.
3. Iniciar o processo de formação de uma rede de pequenos meios de hospedagem no Rio de Janeiro.
4. Realizar pesquisa diagnóstica que subsidiará importantes ações de qualificação para o setor nos próximos anos.
5. Implementar o processo de mobilização para as ações do programa nas cidades sede e dos destinos do entorno.

O lançamento do programa acontecerá em 25/03 (sexta-feira), no Rio de Janeiro, das 14 às 17hs, no auditório da FGV Online, localizado à Rua Candelária, no. 6.

Participe e faça o giro certo, confirme sua presença.

RSVP - Daniela Teixeira
Email: assessoria.ibh@abih.com.br / Fone: 61 3327-7290


O programa já foi lançado em Cuiabá, Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Manaus e Salvador e São Paulo. Leia depoimentos de quem já participou.

"Discutimos o programa com as autoridades municipais durante a última reunião do Conselho de Turismo de Socorro e a opinião foi unânime de que o Programa de Qualificação dos Pequenos Meios de Hospedagem não poderia vir em melhor hora. O projeto veio resolver uma pendência que é a mão de obra qualificada na região. Para se ter uma idéia, em 1996, quando o conselho foi formado existiam 04 hotéis. Hoje temos 45 e mais oito em construção"
José Fernandes Franco - Pousada Parque dos Sonhos - Socorro/ SP

“O projeto é de suma importância para nossa região. Não só para receber os turistas que vierem para Recife em função da Copa do Mundo, mas para colocar o estado de Pernambuco em pé de igualdade competitiva tanto como destino, quanto na qualidade dos serviços prestados pela hotelaria”. Ângelo Gustavo Lins - Representante do Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Olinda


COLABORE COM O PROGRAMA

Antes mesmo de participar do evento, você já pode começar a colaborar conosco. Suas sugestões, críticas e opiniões são fundamentais.

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.


AVISO AOS NAVEGANTES

Nos últimos anos, como você bem sabe, empresas, governos e entidades setoriais passaram a perceber a importância dos pequenos meios de hospedagem para a competitividade e sustentabilidade do turismo brasileiro e estão desenvolvendo ações, projetos e programas específicos para o setor.

Portanto, essa é a hora de estudar o clima, os mapas e as coordenadas, escolher e preparar a tripulação, aproveitar os bons ventos e navegar rumo aos, outrora, distantes sonhos. Não se engane, as oportunidades estão colocadas para que seu PMH alcance mercados internacionais, consolide acordos comerciais com importantes players e materialize os valores e a cultura da empresa.

A ABIH e o SEBRAE não podem capitanear a nau, mas estão montando a Escola de Sagres.


PROGRAMA PEQUENOS E NOTÁVEIS

Fruto de trabalho conjunto entre o SEBRAE, a ABIH e o IBH, o Programa Pequenos e Notáveis foi desenvolvido em razão de grandes desafios que os pequenos meio de hospedagem brasileiros tem à sua frente:
1. Manter-se competitivo em um cenário de disputa internacional;
2. Combinar rentabilidade e aumento da ocupação com um sistema de gestão da qualidade eficiente;
3. Desenvolver um sistema de gestão da sustentabilidade adequado às suas necessidades e limitações;
4. Fazer com que o negócio alcance os desejos dos empresários, hóspedes, funcionários e parceiros.

O programa originou-se, a partir da missão da ABIH Nacional, que é representar os interesses e promover o desenvolvimento sustentável dos meios de hospedagem e do setor de turismo, na promoção de um ambiente favorável aos negócios, à competitividade e à qualificação permanente das empresas, pessoas, processos e serviços. Em função disso, estabeleceu parceria com as ABIHs estaduais, o SEBRAE Nacional e suas representações estaduais, para executar o Programa Nacional de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, também conhecido por sua alcunha, Pequenos e Notáveis.

A ABIH Nacional articulou o desenvolvimento e viabilizou boa parte dos recursos financeiros do programa, e está também auxiliando os processos de mobilização.

O SEBRAE Nacional viabilizou a maior parte dos recursos financeiros do programa e disponibilizou uma série de mecanismos de gestão e inovação a serem utilizados nas atividades de qualificação e capacitação.

O SEBRAE/RJ e a ABIH/RJ estão auxiliando os processos de mobilização e viabilizando recursos para as ações presenciais do programa.

O Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH está executando o programa.


Lançamento do Programa Pequenos & Notáveis no Rio Grande do Norte

No próximo dia 29, lançaremos, no Rio Grande do Norte, o Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, qual envolve uma série de ações e ferramentas de capacitação de pessoas e qualificação de serviços idealizadas e executadas, a partir da parceria entre o SEBRAE, a ABIH e suas seccionais nos estados, além do Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH.

Esperamos contar com sua presença, empresário de Natal, Tibau do Sul, mas também de João Pessoa. Este é o momento de conhecer o programa, mas também de confraternização e celebração.

Nas primeiras ações de campo do programa, que acontecerão nas 12 cidades sede do mega evento esportivo que sediaremos em 2014, nossos objetivos principais são:

1. Apresentar o programa aos empresários de pequenos meios de hospedagem das cidades sede e dos destinos do entorno.
2. Escutar e identificar as opiniões e sugestões dos presentes sobre as ações do programa.
3. Iniciar o processo de formação de uma rede de pequenos meios de hospedagem no nordeste brasileiro.
4. Realizar pesquisa diagnóstica que subsidiará importantes ações de qualificação para o setor nos próximos anos.
5. Implementar o processo de mobilização para as ações do programa nas cidades sede e dos destinos do entorno.

O lançamento do programa acontecerá em Natal, no dia 29/03 (terça-feira), das 14 às 17hs no Praia Mar Hotel, localizado à Rua Francisco Gurgel, 33, Ponta Negra.
Telefone (84) - 3219- 2230
Participe e faça o giro certo, confirme sua presença.

RSVP - Daniela Teixeira
Email: assessoria.ibh@abih.com.br / Fone: 61 3327-7290

O programa já foi lançado em Cuiabá, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza. Leia depoimentos de quem já participou.

“Esse projeto será um marco para os pequenos empreendimentos que ficam a cerca de 100 km de Recife, já que com qualidade no atendimento, podemos contribuir com os esforços institucionais da Secretária de Turismo do estado, em promover o destino Pernambuco, absorvendo não só a demanda por um tipo específico de hospedagem, mas recebendo os hóspedes que não encontram vagas em cidades como Olinda, por exemplo.” Maria Thereza Chaves Fiúza - Presidente da Associação Pernambucana de Turismo Rural e Ecológico – APETURR

“O projeto é de suma importância para nossa região. Não só para receber os turistas que vierem para Recife em função da Copa do Mundo, mas para colocar o estado de Pernambuco em pé de igualdade competitiva tanto como destino, quanto na qualidade dos serviços prestados pela hotelaria”. Ângelo Gustavo Lins - Representante do Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Olinda


COLABORE COM O PROGRAMA

Antes mesmo de participar do evento, você já pode começar a colaborar conosco. Suas sugestões, críticas e opiniões são fundamentais.

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.


AVISO AOS NAVEGANTES

Nos últimos anos, como você bem sabe, empresas, governos e entidades setoriais passaram a perceber a importância dos pequenos meios de hospedagem para a competitividade e sustentabilidade do turismo brasileiro e estão desenvolvendo ações, projetos e programas específicos para o setor.

Portanto, essa é a hora de estudar o clima, os mapas e as coordenadas, escolher e preparar a tripulação, aproveitar os bons ventos e navegar rumo aos, outrora, distantes sonhos. Não se engane, as oportunidades estão colocadas para que seu PMH alcance mercados internacionais, consolide acordos comerciais com importantes players e materialize os valores e a cultura da empresa.

A ABIH e o SEBRAE não podem capitanear a nau, mas estão montando a Escola de Sagres.


PROGRAMA PEQUENOS E NOTÁVEIS

Fruto de trabalho conjunto entre o SEBRAE, a ABIH e o IBH, o Programa Pequenos e Notáveis foi desenvolvido em razão de grandes desafios que os pequenos meio de hospedagem brasileiros tem à sua frente:
1. Manter-se competitivo em um cenário de disputa internacional;
2. Combinar rentabilidade e aumento da ocupação com um sistema de gestão da qualidade eficiente;
3. Desenvolver um sistema de gestão da sustentabilidade adequado às suas necessidades e limitações;
4. Fazer com que o negócio alcance os desejos dos empresários, hóspedes, funcionários e parceiros.

O programa originou-se, a partir da missão da ABIH Nacional, que é representar os interesses e promover o desenvolvimento sustentável dos meios de hospedagem e do setor de turismo, na promoção de um ambiente favorável aos negócios, à competitividade e à qualificação permanente das empresas, pessoas, processos e serviços. Em função disso, estabeleceu parceria com as ABIHs estaduais, o SEBRAE Nacional e suas representações estaduais, para executar o Programa Nacional de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, também conhecido por sua alcunha, Pequenos e Notáveis.

A ABIH Nacional articulou o desenvolvimento e viabilizou boa parte dos recursos financeiros do programa, e está também auxiliando os processos de mobilização.

O SEBRAE Nacional viabilizou a maior parte dos recursos financeiros do programa e disponibilizou uma série de mecanismos de gestão e inovação a serem utilizados nas atividades de qualificação e capacitação.

O SEBRAEs e as ABIHs do Rio Grande do Norte e da Paraíba estão auxiliando os processos de mobilização e viabilizando recursos para as ações presenciais do programa.

O Instituto Brasileiro de Hospedagem - IBH está executando o programa.


terça-feira, 15 de março de 2011

Semana da Segmentação. Sun, Sand and Sea.

Sund, Sand and Sea; 3Ss; Sol e Praia. O nome não importa. O que importa é que este é, provavelmente o único segmento turístico que consegue rivalizar em alguma medida com o segmento de negócios e eventos em termos da importância econômica para os prestadores de serviços turísticos.

Motivador de volumosos fluxos turísticos em todos os continentes e responsável pela criação de alguns dos mais badalados e importantes destinos turísticos do mundo, o segmento de sol e praia é, sem sombra de dúvidas, o mais importante para o Brasil, quando falamos em lazer, portanto à exceção de negócios e eventos.

Quando combinados os dois segmentos temos destinos e negócios ainda mais competitivos, como mostram as diárias médias e as ocupações de meios de hospedagem de Salvador, Rio de Janeiro e outros destinos do Nordeste.

Segmentação como estratégia para o desenvolvimento

O seguinte parágrafo extraído do caderno de orientações básicas para a segmentação em sol e praia explica bem qual o caminho a ser percorrido pelos destinos.

"O Ministério do Turismo reconhece essas tendências de consumo como oportunidades de valorizar a diversidade e as particularidades do Brasil. Por isso, propõe a segmentação como uma estratégia para estruturação e comercialização de destinos e roteiros turísticos brasileiros. Assim, para que a segmentação do turismo seja efetiva, é necessário conhecer profundamente as características do destino: a oferta (atrativos, infraestrutura, serviços e produtos turísticos) e a demanda (as especificidades dos grupos de turistas que já o visitam ou que virão a visitá-lo). Ou seja, quem entende melhor os desejos da demanda e promove a qualificação ou aperfeiçoamento de seus destinos e roteiros com base nesse perfil, terá mais facilidade de inserção, posicionamento ou reposicionamento no mercado."

Transponha este mesmo entendimento para o seu negócio apenas mudando a orientação de destino para pequeno meio de hospedagem. Portanto se você conhece os desejos da demanda do destino em que está localizado o seu PMH e promove a qualificação do seu negócio terá mais facilidade de ofertar um serviço adequado e posicionar-se no mercado como um competidor eficiente.

Perfil do tursita de sol e praia

Como você bem sabe, as atividades de um turista de sol e praia podem ir da simples "recreação de contato primário com a água (banho de mar, lago, rio; nado etc.) passando por atividades esportivas e recreacionais (banhos de sol, caminhadas, frescobol, vôlei de praia, futevôlei, futebol de areia) e atividades com equipamentos náuticos (passeios de barco, jet ski, banana boat, caiaque, lancha, esqui-aquático) até chegar a atividades mais atléticas e especializadas como o surf, o windsurf ou o kitesurf."

Por isso mesmo, é difícil estabelecer um perfil desta demanda, que inclue outras variáveis, como os serviços oferecidos, as características climáticas e geográficas do destino, as características da praia, entre outros.

Além do mais, “o Brasil não possui estudos específicos que apontem o perfil do turista de Sol e Praia, porém, as características físicas e a oferta de serviços de um destino podem vir a indicar o tipo de freqüentador do mesmo. Assim, praias de mar aberto, com ondas, muitas vezes são procuradas pelo público jovem e espor- tista, enquanto que aquelas de enseadas e baías terão famílias como público principal. Da mesma forma, praias de rios e reservatórios atraem diferentes turistas.”

De toda maneira, é possível ampliar em muito o conhecimento sobre o perfil dos seus reais e potenciais hóspedes com medidas simples, como o aprimoramento de seu banco de dados, suas pesquisas de satisfação e atividades de benchmarking.

"As pesquisas de demanda turística possuem papel primordial nesse proces-so, pois fornecem dados sobre as preferências e características do turista, assim como a análise dos produtos e as atividades ofertadas pelo mercado, do impacto econômico de seu desenvolvimento em âmbito local, regional e nacional."

E você mesmo pode desenvolvê-la, mesmo que somente no seu pequeno e notável meio de hospedagem ou em parceria com parcerios, centro de atendimento ao turista, secretaria de turismo do destino e do estado.

Tendências do turismo de Sol e Praia para o século XXI - segundo a Organização Mundial do Turismo OMT

Destinos de Sol e Praia distantes
- estima-se que nos próximos anos a busca por viagens à lugares de Sol e Praia distantes tenha um crescimento superior à média geral. Tais destinos estão aos poucos substituindo os destinos turísticos costeiros considerados tradicionais

Destino de Sol e Praia de “boutique”  - um tipo de Turismo de Sol e Praia em que os turistas buscam destinos com instalações sofisticadas, mas em lugares mais tranquilos e menos desenvolvidos, que preservam mais a sua identidade local. Tal segmento produz um volume menor de turistas, mas de alto nível social e econômico.

Viagem (ou férias) combinadas - viagem que devem combinar o componente Sol e Praia, mais uma visita turística de interesse especial, como turismo cultural ou ecoturismo.

------------

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).

Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.



segunda-feira, 14 de março de 2011

Semana da Segmentação. Turismo de Negócios e Eventos.

A partir da publicação da ultima sexta-feira, idealizamos  publicar nesta semana artigos referentes a importantes segmentos turísticos para os destinos brasileiros. Assim, na Semana da Segmentação no Blog dos Pequenos e Notáveis, trataremos dos segmentos de sol e praia, cultural, ecoturismo, de aventura, e de negócios e eventos.

As referências mais importante para esses artigos, como não poderia deixar de ser, serão os cadernos de segmentação publicados pelo Ministério do Turismo.

Comecemos então por aquele segmento que é importante para uma diversidade de destinos turísticos brasileiros, sejam eles capitais ou não, localizados no litoral, na serra ou na floresta, ou mesmo identificados mais fortemente com outros segmentos.

Estamos falando, obviamente, do turismo de negócios e eventos, para o qual o Ministério do Turismo considera que “compreende o conjunto de atividades turísticas decorrentes dos encontros de interesse profissional, associativo, institucional, de caráter comercial, promocional, técnico, científico e social.”

De acordo com a capacidade de oferta de atividades turísticas, da vocação do destino e da relação entre as características do evento e o destino em questão, empresários e gestores públicos procuram competir para sediar os eventos mais adequados à sua realidade.

Segundo o MTur, estes encontros podem ser de interesse profissional, associativo, institucional ou de caráter comercial, promocional, técnico, científico e social.

Encontros de interesse profissional, associativo, institucional

Referem-se a contatos e relacionamentos de trabalho, corporativos, ou de associações ou instituições, sob diferentes formas, como reuniões, visitas, missões e eventos de diferentes naturezas. Os eventos associativos estão ligados a áreas de interesse específicas, pertencendo a uma determinada entidade, seja ela uma associação, um conselho ou outra instituição qualquer. Os participantes deste tipo de evento podem escolher se desejam ou não estar presentes no evento. Já os corporativos estão relacionados a uma ou mais empresas, sendo mais fechados, não cabendo em sua maioria a captação e cujo poder de decisão, tanto da sua realização como da participação de pessoas, cabe – em geral – à alta gerência da organização.

Caráter comercial, promocional, técnico, científico e social

Está relacionado à natureza das relações: comerciais, quando associadas às transações de compra e venda de produtos e serviços; promocionais, quando apenas para divulgação institucional ou de apoio às estratégias de marketing; técnicas e científicas, ao abarcar especialidades, processos, habilidades, domínio de uma prática, arte ou ciência; e sociais, por envolver assuntos próprios da sociedade, comunidade ou agremiação, com vistas ao bem comum.

Ainda para o MTur estas atividades turísticas incluem “a oferta de serviços, equipamentos e produtos que viabilizam o deslocamento e a estada do turista e também na realização do negócio ou do evento como atrativo. Incluem as seguintes atividades: transportes; operação e agenciamento turístico; hospedagem; alimentação; organização e operação de eventos; espaços para eventos; recepção; recreação e entretenimento; atividades complementares”.

Portanto, é fundamental que a habilitação para sediar um determinado evento esteja alicerçada no estudo da capacidade de oferta de atividades turísticas de acordo com o número de participantes e potenciais acompanhamentos, assim como ao perfil do evento e da demanda.

De maneira geral, porém, é possível determinar a característica do perfil do turista de negócios e eventos. Ele possui escolaridade superior e poder aquisitivo elevado; é representante de organizações e empresas; exigência de praticidade, comodidades, atendimento e equipamentos de qualidade; realiza gastos elevados em relação a outros segmentos.

Uma das maneiras mais profissionais e adequadas que destinos dos mais diferentes cantos do mundo adotaram para organizar o trade e competir em pé de igualdade com outros destinos na captação e organização de eventos é por meio de um Convention and Visitors Bureau.

Estes, segundo definição da Federação Brasileira de Convention and Visitors Bureaux, são organizações sem fins lucrativos, dedicadas à promoção do destino turístico ao qual se referem como local ideal para realização de turismo de eventos, de negócios e de lazer, por meio de prestação de informações e facilitação ou intermediação de venda dos produtos e serviços turísticos existentes no mesmo.

Se no seu destino já existe um Convention and Visitors Bureaux, associe-se a ele. Caso contrário, e se o seu destino tem capacidade de captar e organizar eventos junte-se a outros empresários e monte um.

------------

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).


Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Infraestrutura, equipamentos e serviços adequados à demanda.

Qual é o segmento turístico mais importante no destino em que está localizado seu PMH? E quais são os outros segmentos importantes ou periféricos? Uma considerável parte de seus hóspedes está identificada com estes segmentos mais importantes? E sua infraestrutura, equipamentos e serviços correspondem às necessidades e desejos dos hóspedes identificados com esses segmentos?

É muito importante que você saiba responder à essas perguntas. E as respostas que delas decorrem são o resultado do estudo das características dos fluxos turísticos identificados com cada segmento em comparação com as características do seu negócio.

Para te ajudar a compreender com maior propriedade os segmentos turísticos importantes no destino em que está localizado o seu pequeno e notável meio de hospedagem, e portanto compreender se a infraestrutura, os equipamentos e o serviços estão adequados à demanda identificada com estes segmentos, utilize os cadernos e manuais de segmentação desenvolvidos pelo Ministério do Turismo.

Mas o que significa essa adequação à demanda identificada com determinado segmento? Quando um empresário implantou uma rede wireless em seu pequeno meio de hospedagem; equipou as UHs com mesa, abajur e cadeira confortável; construiu uma sala de reunião e comprou flip chart ou data show; estava adequando suas infraestrutura, equipamentos e serviços aos hóspedes em viagens de negócios e eventos.

Um outro pequeno meio de hospedagem que estabeleceu parceria comercial com massoterapeuta; indica passeios ofertados por operadoras de receptivo local; está localizado em uma área de mata; tem decoração e infraestrutura rústicas feitas com materiais locais; tem uma loja de conveniência que vende repelente, capa de chuva, protetor solar e bonés; certamente recebe uma demanda identificada com segmentos de ecoturismo, aventura ou pesca.

Você com certeza desenhou e implantou infraestruturas, equipamentos e serviços pensando na adequação à demandas turísticas importantes para o seu destino, mas é importante observar outras necessidades que ainda não foram correspondidas. A partir destes documentos, você terá oportunidade de compreender as características do segmento, as principais atividades praticadas no ambiente do segmento, o perfil do turista identificado com este segmento, a cadeia produtiva (principais agentes do segmento e suas atribuições), entre outras informações importantes.

Existem manuais e cadernos sobre os seguintes segmentos: aventura, cinematográfico, cultural, ecoturismo, estudos e intercâmbio, náutico, negócios e eventos, rural, de saúde, e sol e praia.

Eles são muito bem escritos, em uma linguagem apropriada e trazem conhecimentos altamente aplicáveis no seu negócio. É interessante mesmo estudar segmentos que não são importantes para o seu segmento, porque podem surgir dali idéias criativas para outros segmentos.

------------

Faça comentários no blog ou mande-nos um email (pmh@abih.com.br).


Se estiver trabalhando nas redes socais, siga-nos no Twitter e seja nosso amigo no Facebook.